Arquivo da categoria: Fast food

Empanadas ‘chi chi chi le le nas’

Gente, vamos confessar: ninguém está passando ileso pela da Copa do Mundo da FIFA 2014™ (responsabilidade jurídica, a gente vê por aqui!). Não tem como levar a vida normalmente, pelo menos nos dias de jogos do Brasil. Se, nem o comércio nem o serviço público funcionam, como não se contagiar? Na minha casa, as oitavas-de-final terminaram em angústia e lágrimas.

Que vitória suada!!! Mas deixa eu te contar que o Chile tem outras maravilhas, além dos vinhos e do futebol petulante. Estava há pelo menos dois meses ouvindo falar de umas tais empanadas chilenas que estão sendo produzidas aqui mesmo, em Bento Gonçalves. O Doña Margarita surgiu há pouquíssimo tempo e tem origem na família Geisse, proprietária da vinícola premiadíssima de mesmo nome.

empanadas todas
Já conhecia as empanadas argentinas, mas não as chilenas. Haveria melhor ocasião pra degustá-las que o duelo entre Brasil e Chile no Mundial? Naturalmente, tive que provar uma unidade de cada um dos quatro sabores, o que sabiamente fiz no pré-jogo, senão ia voar prato, empanada e Fruki Guaraná pra todo lado.

 empanadas espi

Comecei pela empanada de espinafre porque, a bem da verdade, não está entre os meus sabores preferidos e eu era o tipo de criança que comia sempre o lado sem recheio da bolacha primeiro. Hehehe. Enfim, posso dizer que foi um ótimo cartão de visitas. E uma opção deliciosa pra quem não come carne.

 empanadas carne

A empanada de carne é a clássica das clássicas, com uva passa, ovo e azeitonas – uma combinação deliciosa.

 empanadas frango

Deixei a empanada de frango por último entre as salgadas porque, assim que as tirei do forno, senti o aroma inconfundível de curry e não queria comprometer o sabor das demais. Se você gosta de curry, indico. A combinação com pimentões e azeitonas pretas dá um toque especial.

 empanadas maa

Nesse ponto, o jogo já estava começando e precisei esperar um tempinho, afinal, três empanadas são mais que o suficiente pra alimentar uma pessoa. Aos 15 do primeiro tempo, finalmente cheguei nesse deleite que é a empanada de maçã com canela. Sou suspeita. Afinal, tenho uma quedíssima por doces com maçã. Indico muito!

A proposta do Doña Margarita é bem simples: embalagens com seis unidades congeladas pra assar em casa. Encontra-se em alguns pontos de venda de Bento Gonçalves, Carlos Barbosa, Caxias e Porto Alegre, mas faço votos que as empanadas cheguem cada vez mais longe! O preço é de um quitute alto padrão: em média, R$ 30 por caixa.

Doña Margarita

Melhor de oito, um ranking dos Xis de Bento Gonçalves

Que momento, que delícia, que absurdo de quilocalorias! Semana passada, inventei de promover o primeiro Circuito de Degustação do blog Culinarismo – nessa edição de estreia, dedicado aos xis de Bento Gonçalves. O projeto era antigo, mas não se concretizava por falta de parceria. Afinal, mesmo sendo boa de garfo, acho que não conseguiria sobreviver sozinha a um desafio desses. Então, convoquei um marido para auditar a bagunça e convidei três amigas dispostas ao sacrifício – inclusive, de rachar a conta. Ao todo, portanto, foram cinco os “jurados”.

Antes que pipoque alguma polêmica, preciso frisar que este post não tem a intenção de ultrajar ou desmerecer nenhum dos estabelecimentos avaliados. Todos têm seus pontos fortes e fracos e, naturalmente, podem coexistir. A ideia aqui é apenas dar uma ajudinha pro consumidor indeciso, apontando os diferenciais de cada um. Outro ponto importante: ainda que estivéssemos em 10 pessoas, jamais seria possível provar todos os xis da cidade, até porque certamente não conheço todos. Então, pedi aos meus convidados algumas indicações e, pinçando as sugestões em comum, cheguei a uma lista de oito estabelecimentos: Beliskão, Chicão Lanches, Magnatas do Xis, Papa Burguer, Perera, Sierra Burguer, Xis Bocão e Xis Picanha.

x todos
Pra ser justa, a degustação foi totalmente às cegas – o preço foi revelado depois de cada rodada para verificarmos se o preço valia a entrega. E a procedência só foi revelada no final dos trabalhos. Obviamente, alguns deles são inconfundíveis, mas a intenção era não poluir a avaliação das pessoas com opiniões prévias. Pedi xis salada em todas as lancherias e bolei uma metodologia com cinco quesitos a serem preenchidos com notas de 1 a 5: Preço, Apresentação, Tamanho, Sabor e Custo/Benefício. Havendo médias iguais, venceu aquele que teve maior pontuação no quesito custo/benefício.
A questão da tele-entrega não foi avaliada, porque tornaria nossa degustação muito mais cara e longa. O que fizemos foi pedir todos os xis por telefone e buscá-los em sequência. Antes da degustação, colocamos no forno em temperatura média por um período de três a quatro minutos, pra garantir que ele estivesse o mais próximo possível de quando entregue. Mesmo sem ter usufruído do serviço, deixo abaixo os telefones para encomendas e cito os estabelecimentos que não têm entrega, porque isso faz toda a diferença naqueles dias de preguicinha!
Só mais uma consideração. Ficou claro nesse ranking que nem só de sabor, nem só de preço vive um xis. Tudo é uma questão de média e de preferência. Alguns diferenciais como o pão cervejinha, por exemplo, representaram pontos a mais para alguns e pontos a menos para outros. Estar bem prensado foi importante para alguns e irrelevante para outros. Mas num quesito todos concordaram: maionese de xis não pode ser industrializada!!!
Amei essa experiência e espero que vocês também curtam. Quem sabe não repetimos em breve, avaliando cachorros-quentes ou pizzas?!

Relembrando: as notas são de 1 a 5 e as plaquinhas indicam a ordem da degustação e não sua colocação no ranking.

 x boco

8º lugar: 

Xis Bocão – média 4,0
Preço do xis salada: R$ 17,00
Sem tele-entrega, encomendas pelo telefone 3452 6253.
O Xis Bocão é o melhor da cidade pra muita gente, mas perde no preço. Foi o mais caro de todos, mas ganhou elogios pelo sabor, pelo molho e por ser bem prensado. Teve ótimas notas nos quesitos tamanho e apresentação.

x chico

7º lugar:
Chicão Lanches – média 4,08

Preço do xis salada: R$ 11,00
Sem tele-entrega, encomendas pelo telefone 9995 5735.
De uma forma geral, o xis é muito bom e o preço também. Mas as regras da degustação eram claras: o xis tinha que ser comido como veio, sem acrescentar condimentos. Sendo assim, apesar do hambúrguer suculento e macio, do presunto elogiado e da maionese com sabor caseiro, foi consenso que faltou um pouco de sabor.

x pereira

6º lugar: 

Xis do Perera – média 4,08
Preço do xis salada: R$ 10,50
Tele-entrega pelo telefone 2621 5073.
Simples e gostoso, o xis salada do Perera tem hambúrguer macio e tomate fresco. Uma das degustadoras considerou que o hambúrguer poderia ser mais grelhado, mas nada que comprometesse a nota final. O que ficou um pouco a desejar foi o tamanho, mas se justifica pelo preço.

x magnatas

5º lugar:
Magnatas do XIS – média 4,12

Preço do xis salada: R$ 12,50
Tele-entrega pelo telefone 3451 2711 (Magnatas do Centro)
Aqui a opinião foi unânime: o hambúrguer estava duro, mal passado e tinha mais sal que o necessário. Ainda assim, as notas foram elevadas pela apresentação do xis e pela maionese, que era simplesmente maravilhosa.

 x belisko

4º lugar:
Beliskão – média 4,24

Preço do xis salada: R$ 10,00
Tele-entrega pelo telefone 3451 5454.
O preço imbatível deu ao xis do Beliskão o quarto lugar. Mas não é só isso: ele também foi o maior de todos. A carne também estava macia e o xis era bem molhadinho, mas…foi detectada maionese industrializada – e de marca duvidosa!

x papa burguer

3º lugar: 

Papa Burguer – média 4,28
Preço do xis salada: R$ 13,00
Tele-entrega pelo telefone 3454 1515.
Inconfundível, o xis do Papa Burguer é daqueles que dividem opiniões. Alguns acham divino, outros acham meio “espalhadão”. Tem que adore o pão, outros não curtem. Ainda assim, ele arrebatou a medalha de bronze e levou nota excelente no quesito apresentação. Eu, particularmente, não vejo necessidade de colocar batata palha no xis, mas uma degustadora apontou isso como ponto positivo, então está registrado!

x sierra

2º lugar:
Sierra Burguer – média 4,52

Preço do xis salada: R$ 16,00
Tele-entrega pelo telefone 3701 3749.
Antes que alguém se manifeste dizendo que “Sierra Burguer não é xis”, tenho dois argumentos em defesa dos jurados: foi pedido xis salada, como nos demais, e seria injustiça deixa-lo de fora. O Sierra foi o único que teve nota máxima nos quesitos sabor e custo/benefício. Só perdeu a medalha de ouro pelo preço e tamanho. Fora isso, os comentários foram: o melhor sabor, a melhor apresentação, aroma incrível, perfeito sabor de churrasco, pão ótimo. Não precisa dizer mais nada, né?!

 x picanha

1º lugar: 

X Picanha – média 4,72
Preço do xis salada: R$ 12,00
Tele-entrega pelo telefone 3702 1020.
O tradicional xis quadradinho gabaritou nos quesitos preço e apresentação. Com hambúrguer bem temperado, cheirinho de manteiga no pão e um queijo muito diferente (parecido com colonial), esse xis ainda tinha uma boa porção de tomate suculento. A única crítica é que faltou um pouco de molho. Ainda, assim, é dele a medalha de ouro do primeiro Circuito de Degustação do Culinarismo…Parabéns!!!

* Um agradecimento especial às garotas que serviram como cobaias e ao exemplar maridinho que fez muito além de comer: criou um gabarito especial pra gente cortar cada xis em cinco fatias iguais, fez papel de garçom esquentando e servindo as moças e ainda forneceu um licorzinho no meio da rodada pra gente conseguir terminar o desafio!!!

Mortadela amiga

Relacionar-se com a comida é uma questão de tentativa e erro. Quem nunca ousa, não vai se arrepender de uma grana mal investida. Também jamais vai experimentar o esplêndido prazer que a boa comida proporciona. Eu disse boa, não cara. Quem gosta de comer, sabe que comparar tipos e estilos gastronômicos é injusto. Quem gosta de comer, paga bem (quando pode) pra conhecer um pouco mais da alta gastronomia, mas também fica confortável comendo um xis na esquina e enche o prato até a borda quando a mãezinha faz aquele feijão com gosto da infância.
Mas todo mundo tem birra com algum tipo de comida. Eu me incluo nessa lista. Já estive frente a frente com um escargot e não tive coragem de ir adiante. Pudera, já é difícil de olhar, que dirá colocar na boca. Também tem algumas coisas que a gente aprende a desgostar na infância e depois sofre pra perder o preconceito. No meu caso, não gostava de mostarda, mas passou; não gostava de cenoura, e também passou. Minha mãe conta que eu também não comia banana até o dia em que ela me flagrou na casa da vizinha debulhando meio cacho.
Agora, a mortadela eu sempre de-tes-tei. Ou melhor, até a experiência que vou contar agora. Estando em São Paulo e no meio do Mercado Municipal Paulistano, não ia perder a oportunidade de comer aquele famoso sanduíche que é símbolo da cidade. É como um paulista vir pra cá e não comer churrasco. Tudo bem se ele for vegetariano, mas fora isso, a comida é um dos quesitos que mais traduz a cultura e o modo de vida das pessoas. Se você vai a um lugar e não prova nada que a culinária local oferece, é como se não tivesse saído de casa.
No Mercadão, além de sofrer um desfalque com a história das frutas que vou contar no próximo post – ainda as estou comendo e fotografando – também sentei no famoso Mortadela Brasil pra tomar um chopinho e descansar os pés de toda aquela maratona na 25 de Março (atire a primeira pedra quem nunca…). Eles simplesmente têm 23 tipos de sanduíches de mortadela e rodada dupla de chope Brahma das 15h às 18h!!! Pra começo, pedi um bolinho de bacalhau, porque váááá que eu não aprovasse a mortadela – aí pelo menos não passava fome. Era ótimo o bolinho. Grande pra caramba, suculento, R$ 15 por duas unidades de 100 gramas. Valeu a pena e coisa e tal, mas considerando o que veio depois, foi dispensável.

foto (2)

Bolinho bom, mas o melhor veio depois

Eu valorizo muito o trabalho do garçom e não admito ficar esperando a eternidade só pra receber o cardápio. Quanto a isso, sou bem chata até. A experiência é outra quando você é atendido por um garçom que entende do negócio, é cortês, conhece os pratos da casa e responde com propriedade quando você pergunta qual a sugestão do dia. Aquele que nos atendeu no Mortadela Brasil foi impecável apesar da casa lotada e, de cara, disse que a gente não podia deixar de provar o Brazuca, carro-chefe da casa.
Estávamos em três e acabamos pedindo tipos diferentes pra provar um pouco de cada. Não sei qual é o ingrediente secreto desse troço, mas certamente na minha próxima ida a São Paulo vou ter que repetir a dose. O Brazuca, indicação do garçom, realmente era o melhor de todos. Muuuuita mortadela Bologna, bacon crocante, cheddar até dizer chega e uma pitadinha de alface americana pra amenizar a culpa. Os outros também eram legais, mas não tanto. Eram de pernil e lombo canadense. Quando minha mãe ler isso, não vai acreditar que eu gostei mesmo foi da mortadela!!!

mortadela2

Com a tal rodada dupla de chope, acabei esquecendo de anotar o preço, mas a conta toda com o bolinho, os três chopes que pagamos e os três sanduíches deu aproximadamente R$ 100. Não vale super a pena? Só de lembrar, bateu uma fominha…