Arquivo da categoria: Serra Gaúcha

Almoço perfeito na Casa Vanni

Taí um dos meus lugares favoritos pra curtir o outono em Bento Gonçalves. A receita é simples: pegue um dia de sol, adicione algumas pessoas que você ame, pegue a estrada para os Caminhos de Pedra e dê uma pausa pra almoçar na Casa Vanni. Pra finalizar, apanhe umas nozes do chão e descanse uns minutinhos na rede antes de seguir passeio. Esse foi o roteiro que escolhi pra comemorar o Dia das Mães, mas vale pra qualquer ocasião.

vanni fachada
A Casa Vanni certamente está no meu top 5 em Bento pela experiência completa que oferece aos turistas e aos nativos. A casa, de 1935, foi transformada em restaurante há seis anos, o que certamente contribuiu muito para o charme dos Caminhos de Pedra.

vanni janela vanni detalhe

Na parte superior, funciona um empório cheio de gostosuras pra levar ou tomar um café de rei ali mesmo. Mas o ouro está no porão e, pra chegar à parte inferior da casa, os caminhos são encantadores.

vanni flores

No restaurante, o visual é rústico, mas charmoso. O atendimento é excelente, o que se explica também pela limitação de capacidade. São poucas mesas e garçons bem dispostos, o que não se encontra em qualquer lugar por aí.
vanni cerveja vanni paes

Quando chegou a cesta de pães, ela era como devia ser – a focaccia macia; os palitos, crocantes. Estávamos em dúvida sobre o que beber, mas o garçom somou pontos com sua defesa a Colorado Titãs, uma cerveja escura com toque de laranja. Segundo ele, era uma cerveja de sabor e aroma arrojado, que evidenciava o rock’n roll. Ganhou pelo argumento.

vanni massas

O cardápio é basicamente composto por risotos, massas e duas opções ultraespeciais de prato completo. A Joana, minha filha de três anos, não deixou ninguém opinar e escolheu um talharim à bolonhesa. Gente, eu tava tão emocionada que esqueci de anotar os preços….mas essa porção custou algo em torno de R$ 28,00.

vanni file

Eu não quis arriscar e pedi direto o prato que é especialidade da casa: filé mignon com mostarda e presunto cru, envolto em massa folhada e acompanhado por ravióli de berinjela na manteiga e sálvia. Qualquer explicação que se faça a respeito não seria suficiente. Então sugiro que você vá até a Casa Vanni e prove!!! Vale a pena e custa R$ 49,00.

 

Existem aqueles restaurantes que te apressam pra comer e cair fora (o que se percebe nitidamente pelo ritmo dos garçons) e aqueles que te proporcionam uma refeição tranquila…quem sabe até um espaço externo pra você desfrutar de um cafezinho depois. Na Casa Vanni, as mesinhas ao fundo convidam a aproveitar um pouco mais dos Caminhos de Pedra. Para as crianças é ainda mais legal: tem casinha, miniescorregador…

vanni fundos

 

Depois de tudo, você ainda pode apanhar umas nozes e tirar uma soneca na rede. Tá dada a dica.

vanni rede
Casa Vanni
Linha Palmeiro 795, Caminhos de Pedra | Bento Gonçalves
Telefone: (54) 3455-6383
Aceita cartões
www.casavanni.com.br

É tempo de macarons: Vive La France!

Nem só de exorbitâncias gastronômicas vive esta blogueira. Esporadicamente, sobra tempo pra um singelo happy hour – desses com café, amiga de fé e um bolinho pra espantar as amarguras. Conheci um lugar novo que é inspirador pra isso e transforma um despretensioso papinho sobre a vida num evento à francesa. Sabe como? É só trocar aquela fatia de Marta Rocha por macarons!!!

O Le Petit é como tudo o que envolve Paris: charmoso por natureza. Esse café, que inaugurou recentemente, fica no circuito gastronômico da rua Herny Hugo Dreher, bem ao lado do Dall’Onder Grande Hotel. A decoração, toda mimosa, dá um tom très chic! Se tivesse uma musiquinha francesa rolando, então, passaria tranquilo por um café parisiense!

Nunca provou macarons? Pode confiar, não haverá arrependimentos. Não sei bem como é feito esse doce fino. Mas poderia grosseiramente definir como um bolinho crocante por fora e molhadinho por dentro, que pode ser recheado com uma infinidade de cremes doces e salgados (sim!!!! No Le Petit tem macarons salgados também). Assim, um do ladinho do outro, é tão difícil escolher.


Só pra registrar, no Le Petit o café não é qualquer café e o chá não é qualquer chá.

Você recebe na mesa caixinhas com todas as opções pra sentir o aroma e escolher

de acordo com o seu estilo. Eu, por exemplo, pedi um café Indriya, uma variedade indiana

com características fortes e picantes. É pra quem gosta da fortidão mesmo.

Mas existem muitas outras variedades, pra quem curte toques de chocolate, baunilha, caramelo…

Agora vamos ao que interessa, a estrela da casa. Como não deu pra provar um de cada, pedi sete macarons – alguns que chamaram atenção pela cor, outros mais excêntricos. Dos salgados, provei os três tipos que a casa oferece e posso dizer que só funciona pra quem curte a mistura de doce e salgado, apesar de os sabores se misturarem sutilmente. Entre as opções de tomate seco, queijo e azeitonas, meu preferido é o de queijo.

lepetit pistache lepetit frutas do bosque lepetit rosas lepetit maa com canela
Dos doces, pedi quatro e fugi das opções com chocolate porque achei que, por óbvio, seriam boas. Então provei: Maçã com canela (feito com pasta italiana de limão, o que quebra um pouco a doçura!); Pistache (o preferido do Barney :D); Frutas do bosque (feito com pasta italiana); e Rosas (feito com licor de rosas!). Todos me pareceram maravilhosos, mas no caso de uma eleição, votaria certamente no de Rosas, porque tem um sabor muito delicado e um cheirinho maravilhoso. Em tempo, os macarons salgados custam R$ 4,50 a unidade; os doces, R$ 4,20. Também tem as opções de minimacarons e a casa aceita encomendas para festas.

Com o friozinho se aproximando, minha sugestão é reunir as amigas e bebericar um bom vinho com macarons no Le Petit. Afinal, melhor que sonhar acordado com Paris é dar risada bem acompanhado!

Le Petit 
Rua Herny Hugo Dreher, 227, Bento Gonçalves
Telefone (54) 3701 0180
Aberto de terça a domingo
Aceita cartões
www.lepetitmacarons.com.br

Parrillada com sotaque italiano

Adoro Bento Gonçalves e estou sempre garimpando a boa comida daqui! Mas também tenho um pezinho nas Hortênsias. Afinal, Gramado e Canela têm aquela paisagem maravilhosa, aquela gente bem vestida passeando de mãos dadas, os chocolates e os restaurantes memoráveis. Toda uma aura turística criada para seduzir. Os caras são profissionais, eles sabem que servir é uma arte e que o turismo está aí pra isso: bajular as pessoas e proporcionar uma experiência tão agradável que elas esqueçam como turistar pesa no bolso.

piacere FACHADA

Enfim, se você já foi a Gramado pelo menos uma vez certamente passou em frente a esse restaurante da foto. O Il Piacere fica bem na avenida principal e, olhando assim de fora, dá um pouco de medo de entrar ($$$). Ainda bem que superei isso rapidinho, ou teria perdido uma história deliciosa.

piacere CHOPP

Como ninguém é de ferro e o garçom chegou com umas polentinhas que eu não pude recusar, pedi logo um chopinho pra acompanhar. Até aí, nada demais. Chopp Rasen todo mundo em Gramado vende e polenta frita também não tem nada demais.

piacere INTERNA
O que nem todo mundo tem é esse ambiente delicadamente rústico (pode isso?) e um buffet de saladas maravilhoso e com vários tipos de cogumelos refogados. Amo! Esse é o acompanhamento para o prato principal que viria a seguir e que só de pensar me abre o apetite.

piacere PARRILLADA

A casa tem um cardápio bem amplo, mas eu particularmente gosto de provar a especialidade do lugar e, nesse caso, não me arrependi. Conhecendo a fama das parrilladas do Il Piacere, fui afunilando as opções até chegar no Entrecot Parrillero, com queijo gratinado, cebola e pimentões coloridos – servido na brasa. Ó céus…pensei: “Vou precisar de um licorzinho”.

 piacere DETALHE

Olha que mimoso o cuidado que eles têm com o ponto da carne? Essa parrillada alimentou divinamente três pessoas, sobrando ainda uma marmitinha pra levar, por R$ 150,00 (sem bebida). Valeu cada centavo.

 piacere SOBREMESA

Pra terminar, deixo aqui um conselho aos empresários do ramo alimentício: quando você prometer frutas flambadas com sorvete, sirva isto!!! Não frutas em calda, não frutas frias, não frutas moles, não tudo jogado num prato raso. Eu adoro e aprendo muita coisa com os reality shows de culinária. Inclusive que não adianta se esmerar no prato principal se a sobremesa colocar tudo a perder. 😉

Il Piacere
Avenida Borges de Medeiros, 1998
Gramado
Telefone: (54) 3286 1937
www.ilpiacere.com.br

 

Melhor de oito, um ranking dos Xis de Bento Gonçalves

Que momento, que delícia, que absurdo de quilocalorias! Semana passada, inventei de promover o primeiro Circuito de Degustação do blog Culinarismo – nessa edição de estreia, dedicado aos xis de Bento Gonçalves. O projeto era antigo, mas não se concretizava por falta de parceria. Afinal, mesmo sendo boa de garfo, acho que não conseguiria sobreviver sozinha a um desafio desses. Então, convoquei um marido para auditar a bagunça e convidei três amigas dispostas ao sacrifício – inclusive, de rachar a conta. Ao todo, portanto, foram cinco os “jurados”.

Antes que pipoque alguma polêmica, preciso frisar que este post não tem a intenção de ultrajar ou desmerecer nenhum dos estabelecimentos avaliados. Todos têm seus pontos fortes e fracos e, naturalmente, podem coexistir. A ideia aqui é apenas dar uma ajudinha pro consumidor indeciso, apontando os diferenciais de cada um. Outro ponto importante: ainda que estivéssemos em 10 pessoas, jamais seria possível provar todos os xis da cidade, até porque certamente não conheço todos. Então, pedi aos meus convidados algumas indicações e, pinçando as sugestões em comum, cheguei a uma lista de oito estabelecimentos: Beliskão, Chicão Lanches, Magnatas do Xis, Papa Burguer, Perera, Sierra Burguer, Xis Bocão e Xis Picanha.

x todos
Pra ser justa, a degustação foi totalmente às cegas – o preço foi revelado depois de cada rodada para verificarmos se o preço valia a entrega. E a procedência só foi revelada no final dos trabalhos. Obviamente, alguns deles são inconfundíveis, mas a intenção era não poluir a avaliação das pessoas com opiniões prévias. Pedi xis salada em todas as lancherias e bolei uma metodologia com cinco quesitos a serem preenchidos com notas de 1 a 5: Preço, Apresentação, Tamanho, Sabor e Custo/Benefício. Havendo médias iguais, venceu aquele que teve maior pontuação no quesito custo/benefício.
A questão da tele-entrega não foi avaliada, porque tornaria nossa degustação muito mais cara e longa. O que fizemos foi pedir todos os xis por telefone e buscá-los em sequência. Antes da degustação, colocamos no forno em temperatura média por um período de três a quatro minutos, pra garantir que ele estivesse o mais próximo possível de quando entregue. Mesmo sem ter usufruído do serviço, deixo abaixo os telefones para encomendas e cito os estabelecimentos que não têm entrega, porque isso faz toda a diferença naqueles dias de preguicinha!
Só mais uma consideração. Ficou claro nesse ranking que nem só de sabor, nem só de preço vive um xis. Tudo é uma questão de média e de preferência. Alguns diferenciais como o pão cervejinha, por exemplo, representaram pontos a mais para alguns e pontos a menos para outros. Estar bem prensado foi importante para alguns e irrelevante para outros. Mas num quesito todos concordaram: maionese de xis não pode ser industrializada!!!
Amei essa experiência e espero que vocês também curtam. Quem sabe não repetimos em breve, avaliando cachorros-quentes ou pizzas?!

Relembrando: as notas são de 1 a 5 e as plaquinhas indicam a ordem da degustação e não sua colocação no ranking.

 x boco

8º lugar: 

Xis Bocão – média 4,0
Preço do xis salada: R$ 17,00
Sem tele-entrega, encomendas pelo telefone 3452 6253.
O Xis Bocão é o melhor da cidade pra muita gente, mas perde no preço. Foi o mais caro de todos, mas ganhou elogios pelo sabor, pelo molho e por ser bem prensado. Teve ótimas notas nos quesitos tamanho e apresentação.

x chico

7º lugar:
Chicão Lanches – média 4,08

Preço do xis salada: R$ 11,00
Sem tele-entrega, encomendas pelo telefone 9995 5735.
De uma forma geral, o xis é muito bom e o preço também. Mas as regras da degustação eram claras: o xis tinha que ser comido como veio, sem acrescentar condimentos. Sendo assim, apesar do hambúrguer suculento e macio, do presunto elogiado e da maionese com sabor caseiro, foi consenso que faltou um pouco de sabor.

x pereira

6º lugar: 

Xis do Perera – média 4,08
Preço do xis salada: R$ 10,50
Tele-entrega pelo telefone 2621 5073.
Simples e gostoso, o xis salada do Perera tem hambúrguer macio e tomate fresco. Uma das degustadoras considerou que o hambúrguer poderia ser mais grelhado, mas nada que comprometesse a nota final. O que ficou um pouco a desejar foi o tamanho, mas se justifica pelo preço.

x magnatas

5º lugar:
Magnatas do XIS – média 4,12

Preço do xis salada: R$ 12,50
Tele-entrega pelo telefone 3451 2711 (Magnatas do Centro)
Aqui a opinião foi unânime: o hambúrguer estava duro, mal passado e tinha mais sal que o necessário. Ainda assim, as notas foram elevadas pela apresentação do xis e pela maionese, que era simplesmente maravilhosa.

 x belisko

4º lugar:
Beliskão – média 4,24

Preço do xis salada: R$ 10,00
Tele-entrega pelo telefone 3451 5454.
O preço imbatível deu ao xis do Beliskão o quarto lugar. Mas não é só isso: ele também foi o maior de todos. A carne também estava macia e o xis era bem molhadinho, mas…foi detectada maionese industrializada – e de marca duvidosa!

x papa burguer

3º lugar: 

Papa Burguer – média 4,28
Preço do xis salada: R$ 13,00
Tele-entrega pelo telefone 3454 1515.
Inconfundível, o xis do Papa Burguer é daqueles que dividem opiniões. Alguns acham divino, outros acham meio “espalhadão”. Tem que adore o pão, outros não curtem. Ainda assim, ele arrebatou a medalha de bronze e levou nota excelente no quesito apresentação. Eu, particularmente, não vejo necessidade de colocar batata palha no xis, mas uma degustadora apontou isso como ponto positivo, então está registrado!

x sierra

2º lugar:
Sierra Burguer – média 4,52

Preço do xis salada: R$ 16,00
Tele-entrega pelo telefone 3701 3749.
Antes que alguém se manifeste dizendo que “Sierra Burguer não é xis”, tenho dois argumentos em defesa dos jurados: foi pedido xis salada, como nos demais, e seria injustiça deixa-lo de fora. O Sierra foi o único que teve nota máxima nos quesitos sabor e custo/benefício. Só perdeu a medalha de ouro pelo preço e tamanho. Fora isso, os comentários foram: o melhor sabor, a melhor apresentação, aroma incrível, perfeito sabor de churrasco, pão ótimo. Não precisa dizer mais nada, né?!

 x picanha

1º lugar: 

X Picanha – média 4,72
Preço do xis salada: R$ 12,00
Tele-entrega pelo telefone 3702 1020.
O tradicional xis quadradinho gabaritou nos quesitos preço e apresentação. Com hambúrguer bem temperado, cheirinho de manteiga no pão e um queijo muito diferente (parecido com colonial), esse xis ainda tinha uma boa porção de tomate suculento. A única crítica é que faltou um pouco de molho. Ainda, assim, é dele a medalha de ouro do primeiro Circuito de Degustação do Culinarismo…Parabéns!!!

* Um agradecimento especial às garotas que serviram como cobaias e ao exemplar maridinho que fez muito além de comer: criou um gabarito especial pra gente cortar cada xis em cinco fatias iguais, fez papel de garçom esquentando e servindo as moças e ainda forneceu um licorzinho no meio da rodada pra gente conseguir terminar o desafio!!!

La Cosina, almoço da mamãe entregue em casa

Na gastronomia, notícias boas se espalham tão rápido quanto as ruins…e essa boa nova foi soprada no meu ouvido por uma amiga querida que sempre tem ótimas dicas pro blog. Há tempos vinha procurando uma opção de comida boa e barata pra provar esta minha tese, mas sempre acabava postergando porque a linha editorial que eu defini pro blog traz dois princípios básicos: a novidade e o inusitado. De fato, tem muita coisa boa no mercado, mas alguns já são se conhecimento público e outros têm uma proposta comum.

Faltava, portanto, encontrar algo tão bacana quanto uma marmita executiva com gosto de comida caseira, que não pingasse gordura e que tivesse um preço realmente muito atrativo. O La Cosina, de Bento Gonçalves, te entrega em casa um almoço completo por R$ 10,00 sem custo de tele-entrega. Duvidou? Mas é isso mesmo…e pra comprovar se o sabor é tão bacana quanto a proposta, fiz um test drive durante cinco dias.

Na segunda, comi arroz à jardineira com frango grelhado, abóbora caramelada e saladinha.

Na terça, adorei o basicão de arroz, feijão, couve refogada e molho de carne.

Quarta-feira, fui agraciada com um bifinho a parmegiana, salada e arroz. Delícia!!!

Na quinta-feira, um purezinho de batata, tirinhas de carne aceboladas e salada.

Fechando a semana, massa ao molho sugo, frango a milanesa com abacaxi e salada.

O tempero de tudo é bem caseiro, a comida tem pouco sal e nada daquele gostinho de caldo de galinha. Toda essa semana de almoço custou um total de R$ 50,00 sendo entregue em casa pontualmente no horário combinado. O La Cosina começou há um mês em Bento Gonçalves. É um negócio superfamiliar e com capacidade limitada de produção – 25 marmitas executivas por dia. É uma solução e tanto pra quem não tem tempo de cozinhar e não quer comer fora ou precisa almoçar no trabalho. Além de o preço ser incrível, aprovei a quantidade de comida que vem na marmita, na medida exata – nem demais, nem de menos. As marmitas todas eu lavei e deixei guardadas. Elas são ótimas pra congelar comida ou guardar aquela sobrinha do jantar.

La Cosina Tele-entrega de marmita executiva Telefone: (54) 3701-3979 ou 9249-6868 www.facebook.com/lacosina.bento

Restaurante Caldeira: se a Joana gostou, está aprovado

O restaurante Caldeira, que leva o nome do dono, abriu há pouco em Bento Gonçalves e já está na boca do povo, então tinha que conferir se é tudo aquilo o que estão dizendo. Fui com a indicação de provar o bacalhau, apontado como especialidade da casa, mas confesso que não tenho boas experiências com esse peixe, então já entrei pensando numa alternativa. De cara, adorei a decoração, ultrarrústica, com várias caixas de fruta penduradas no teto. Tudo muito bem pensado.

caldeira DECORACAO

Já adianto que o restaurante tem poucos lugares, então é melhor se prevenir com reserva antecipada. Eu mesma já havia tentado jantar lá dias atrás e estava lotado. Acabei tendo que me contentar com um certo estabelecimento de atendimento péssimo e preço salgado.
Mas, voltando ao assunto, na segunda tentativa fui com reserva e avisei que eram duas pessoas: um adulto e uma criança. Fiz isso só por formalidade, porque já estou bastante acostumada a improvisar com almofadas sobre a cadeira pra minha filha poder sentar. Isso sem contar os restaurantes que, querendo parecer simpáticos, trazem para a criança uma colher de sopa que não caberia nem na boca de um adulto (post desabafo,hehehe).
Retomando mais uma vez, ao chegar já reparei que na mesa ao lado tinha um casal com seus dois filhos e, pouco a pouco, praticamente todas as pessoas que iam chegando estavam acompanhadas por crianças. Isso não é por acaso. Só quem tem filhos pequenos valoriza um restaurante que está preparado para receber crianças, e isso diz muito sobre o lugar – principalmente, que aquele é um ambiente para você se sentir bem sem ter que deixar metade da família em casa.

Adorei que eles tinham prato, copo e talheres infantis. E a Joana também ficou superempolgada, embora a foto não transpareça…é que ela está entrando numa fase de aversão a fotografia.

A Joana pediu uma massinha aos sete queijos, mas eu ainda estava num impasse sobre o que comer, já que o bacalhau realmente não faz a minha cabeça. Olhei pra mesa do lado e cobicei o filé a parmegiana deles, mas achei que não daria uma avaliação apropriada do lugar. Afinal, esse é um prato bastante comum por aqui. Enquanto deliberava, comi todo o pãozinho com tomate seco servido como entrada.

Por fim, decidi pedir “Ossobuco com polenta mole e salada”, ao preço de R$ 45,00 para duas pessoas (não, eu não comi tudo – pedi meia porção). Essa foi uma escolha bem pessoal mesmo. Imagino que a maioria das pessoas ia preferir uma das inúmeras opções da casa com filé, peixe, frango, porco ou cordeiro. Mas eu achei que combinava com a cara do lugar e não errei. Estava muito bom e indico, desde que você goste de uma pimenta de leve.
Ainda pretendo voltar ao Caldeira e provar o filé a parmegiana e o resto todo – quem sabe até me arriscar no bacalhau. Mas o que posso dizer por hoje é que eu e a Joana aprovamos o atendimento e o cardápio, e que ela adorou comer com talheres que cabiam em sua boquinha de três anos!!!

Caldeira Restaurante Bar
Rua Antônio Ducatti, 138, bairro Cidade Alta
Bento Gonçalves
Telefone: (54) 3701 0272
Aberto de terças a sábados, das 18h30min às 23h
Aceita cartões

Mil motivos pra amar o Empório Canela

 

Em Canela, bem pertinho da Catedral de Pedra, está um dos meus lugares favoritos pra jogar conversa fora – seja beliscando uma coisinha, almoçando com a família ou jantando a dois. Não se trata de um bar, uma loja de suvenires, uma casa de artesanato, uma livraria, um café nem propriamente um restaurante. É tudo junto e um pouco mais.

emporio enfeites

emporio vinis

É onde se encontra um presente perfeito praquele amigo que curte vinis; onde as crianças são super bem recebidas e podem mexer nos livros ou pintar um desenho pra mamãe; onde você vai se sentir à vontade bebendo uma cerveja no ponto, um cálice de vinho ou um tchai indiano… e onde você pode fazer tudo isso acompanhado do seu melhor amigo cão!

emporio cao

Eu já adorava o Empório Canela antes de ver essa fofura de foto no Facebook. Entendo que a maioria dos lugares não pode se dar a esse luxo em função da Vigilância Sanitária e tal. Em ambientes fechados, também poderia dar muita confusão cães e garçons dividindo o mesmo espaço de passagem. Mas, no Empório Canela, tem mesas na área externa, dentro da casa e no deck lateral.


Então, se você não é muito chegado a cães, também vai encontrar um bom lugar entre os livros e mimos que adornam as paredes e que estão à venda, como praticamente tudo que faz parte da decoração.

Bom, mas chega de introdução. Afinal, mesmo com todas essas atrações, o Empório Canela não seria nada se fossem as delícias do seu cardápio. Tem comida pra todo grau de fome e eu, quando quero dar só uma aperitivada, escolho sempre as provoletas – provolone, tomate seco, rúcula picadinha e pão. Isso + uma cerveja bem gelada = momentos de prazer!

Pra almoçar ou jantar, a minha sugestão e ir direto na prata da casa: Filé recheado com queijo brie, mix de cogumelos e risoto de aspargos. É um dos pratos mais vendidos do Empório há muitos anos e eu cito três motivos! Motivo 1: a carne SEMPRE vem no ponto que eu peço. Parece óbvio, mas estou cansada de pedir filé ao ponto e receber carne passada que nem borracha. Motivo 2: o prato vem com três variedades de cogumelos frescos – shimeji, shitake e paris. Motivo 3: os aspargos do risoto são frescos. Pronto: pode pedir que não tem erro.

Ai de você se passar por Canela e passar reto pelo Empório! Nem vale citar preço porque o cardápio vai de pão de queijo a alaminuta, passado pelo famoso filé ao brie. Não tem desculpa!

Empório Canela
Rua Felisberto Soares, 258, Centro, Canela (RS)
Fone (54) 3031 1000
Aberto de quarta a segunda, das 11h às 23h30min (entendeu? Todos os dias EXCETO às terças)
www.emporiocanela.com.br

Delícias da terrinha e preço incrível na Vindima da Lovara

Ao contrário da maioria dos analistas de plantão, adoro quando as iniciativas da coletividade dão certo. Demora, dá trabalho e sempre tem uns tropeços no caminho, até que as ideias amadurecem e começam a sair do papel. Alguém aí lembra o que o verão de Bento Gonçalves tinha a oferecer para os turistas uns cinco anos atrás? Deixe-me pensar… algumas atrações esparsas e mal comunicadas. Por isso sou a maior entusiasta da Vindima – não só a de Bento Gonçalves, mas de toda a Serra Gaúcha. Sou sempre suspeita a falar sobre Gramado/Canela. Amo estar nas Hortênsias, as atrações nunca se esgotam. Mas também acho que o lado de cá tem muito a oferecer.

Recebi um folhetinho com a programação da Vindima e entre as opções, que são tantas, bati o olho na Colheita ao Luar, oferecida pela Vinícola Lovara. A promessa em si já é bem completa, com pratos harmonizados e um after em meio aos parreirais. Mas a entrega foi muito, muito superior! Desfrutei de intensas horas de prazer gastronômico e diversão pagando um valor totalmente acessível (o preço eu conto no final).

Pra começar, você sequer precisa dirigir até a vinícola, embora ela esteja localizada no bairro Salgado, mais perto que a maioria das concorrentes. Pra esse atrativo, é oferecido transfer saindo do Dall’Onder Grande Hotel e do Vittoria. Ou seja, consciência livre pra passar da conta. A recepção é com espumantes da casa em uma tacinha de acrílico bem charmosa que você já ganha de presente.

img556

Depois, na cave, começa o jantar harmonizado. A entrada é uma salada verde com melão e presunto Parma, servida com um branco Lovara Chardonnay. Não sou grande apreciadora de vinhos brancos. A mim, parecem muito frutados, não agradam o paladar. Mas ok, a salada estava ótima e vinhos são como cores e amores né?! Cada um na sua. A seguir, um penne ao molho tradicional daqueles bem caseiros mesmo, harmonizado com Lovara Cabernet Sauvignon safra 2011. Aí já começamos a falar a mesma língua. Papo vai, papo vem, fizemos alguns amigos turistas – o que é ótimo, porque eles conseguem ver com muito mais clareza as belezas dessa terra, por vezes negligenciadas por nós, moradores.
Pro próximo inverno já decidi que vou ter na adega pelo menos dois exemplares do Gran Lovara… encorpado na medida pra mim e servido com um tablete de chocolate amargo. Delícia! Mas isso ainda não era a sobremesa. O gran finale mesmo foi a pêra ao vinho com sorvete harmonizado com o espumante Brut Rosé da casa. Caiu como uma luva – tanto que saí da vinícola com três garrafas a tiracolo.

DSC_1336

Até aí, o preço do jantar já estava mais do que pago. Mas isso era só a metade. Emoldurada por por essa vista incrível, esperava por nós uma mesa de pães, uvas, outras tantas taças de espumante e picolés de uva. Para as crianças, pipoca e suco. Pra animar a noite, música ao vivo. E até repelente pra espantar os mosquitinhos. Ficamos por ali mais uma hora e meia desfrutando o pôr-do-sol com nossas tacinhas de acrílico sempre bem abastecidas pelos garçons.

DSC_1341

Tá bom ou quer mais?
Tem mais: toda essa mordomia custou R$ 45,00 por pessoa. Uma atração bacana com preço ótimo e que certamente resultou em muitos simpatizantes para a vinícola – como eu. Enquanto não caírem as temperaturas, na minha geladeira impera a Brut Rosé da Lovara.
Até março, quando encerra a programação da Vindima, a vinícola ainda oferece várias edições da Colheita ao Luar e outros jantares harmonizados. Vale também conferir a programação completa. Tem atrações pra todos os gostos e bolsos: clique aqui!

Vinícola Lovara
Rua José Benedetti, 222, bairro Salgado, Bento Gonçalves
54 2102 9005
www.vinicolalovara.com.br