Arquivo da categoria: Sopas

Temporada de sopas no Cobo Wine Bar

Está começando oficialmente a temporada das lareiras, dos casacões e vinhos encorpados. Uma sopa bem feita e quentinha é bem-vinda e o inverno no Cobo Wine Bar tem uma novidade deliciosa pra ninguém usar o frio como desculpa pra hibernar. Além do menu de burgers, risotos e as elogiadas massas cortadas à mão – que você pode relembrar aqui –, a nova carta de sopas e cremes é uma boníssima pedida.

 

São cinco opções com preço camarada em porções generosas. Provei todas numa minidegustação e te conto minha preferida.

IMG_3738

O clássico creme de moranga é saboroso e adocicado.

IMG_3736

Uma ótima opção pra quem controla o consumo de carboidratos é o$ creme de batata doce com crispy de batata doce. Uma delícia.

IMG_3733

Esse é o creme verde de batata inglesa e couve, também uma delícia…

IMG_3742

…assim como o consagrado capeletti ao brodo, que não poderia faltar.

IMG_3734

Mas o meu preferido desse cardápio, certamente, foi o creme de mandioca salpicado com calabresa. Uma delícia de tempero, quentinho e reforçado.

 

Uma taça de vinho ou um flight clássico da casa acompanham muito bem. Todas as sopas custam R$ 16,00 a porção, exceto o capeletti, que fica por R$ 23,00.

 

Cobo Wine Bar
Rua Herny Hugo Dreher, 204, Sala Superior (em frente ao DallOnder Grande Hotel), Bento Gonçalves

Aberto de terça a domingo, à noite

Reservas: (54) 3701-2333

Facebook: clique aqui!

A viagem gastronômica do My Way agora também no almoço

Quando um chef de cozinha te convida a sentar no porão da casa dele, conhecer suas coleções de cardápios do mundo, bibelôs e cédulas antigas, esse só pode ser um momento especial. O My Way do chef Maurício Crippa deixa as pessoas à vontade, como estando na casa de um amigo. Logo na entrada, um aparador com fotos da família é que dá as boas vindas. Sentiu o nível de intimidade que você terá com o anfitrião?

DSC_3684

Pois chegue de peito aberto e embarque na viagem que o chef oferece pelas principais cozinhas do mundo.

DSC_3683

O cardápio é itinerante e já postei aqui um jantar indiano que provei e aprovei mesmo sem saber das andanças do Maurício pela Índia. Pois, agora, o My Way, amplia sua programação de jantares étnicos nas sextas e sábados, oferecendo almoço a La carte aos sábados e domingos. O menu é completo: couvert, entrada, prato principal e sobremesa. O cliente escolhe a massa e a carne de preferência; o resto é surpresa.

DSC_3682

Preciso revelar aqui que sou apaixonada pela caponata do chef Maurício e, sempre que tenho em casa, sucumbo aos alertas do chef de comer só um pouquinho por vez. Como couvert no almoço, ele serve justamente a caponata da casa com pão de fermentação natural.

DSC_3687

Nesse dia em que revisitei o My Way, a chuva não dava trégua, então a entrada de minestrone caiu como uma luva pra confortar.

DSC_3692

A massa e a carne do prato principal são à escolha do cliente. Pra mim, naquele dia, pareceram apropriadas as mezzelunes trentinas (massa recheada com escarolas e bacon, molho de natas) e filé Cordon Bleau (recheado com copa e queijo, molho espanhol).

Esqueci de fotografar a sobremesa, que era um creme de laranjas do quintal com calda de merlot. A experiência toda (exceto bebida) por 60 pilas!

Essa vida culinarística nem sempre me permite repetir os restaurantes tanto quanto eu gostaria. Mas em defesa do My Way, eu digo e repito que é um dos lugares onde mais me sinto à vontade. Onde eu poderia tranquilamente ir de pantufas e tomar um vinho sossegada. Só não o faço em respeito ao chef (risos)!

 

My Way Cozinha Universal

Rua Francisco Ferrari, 656, Barracão, Bento Gonçalves

Reservas: (54) 98118-3398

Facebook: clique aqui!

Lembranças de uma Dolce Italia na Escola de Gastronomia da UCS

Não faz muito, abriu ao público o restaurante da Escola de Gastronomia da UCS, em Flores da Cunha.

DSC_3511

Com toda a influência da gastronomia italiana característica da região e sob comando do chef italiano Mauro Cingolani, a casa batizada de “Dolce Italia Ristorante Scuola” serve menu semanal de entrada+prato principal + sobremesa,  além de um cardápio permanente de grelhados. O lugar é uma graça e o atendimento, impecável como há muito eu não via.

DSC_3499

O mâitre, a gerente e os garçons flutuam pelo salão, falando entre si em tom inaudível para os clientes, mostrando-se disponíveis, mas sem perturbar excessivamente. Uma verdadeira escola de atendimento, registre-se. Envidraçado, o salão tem vista aberta para a sala de degustação onde se ministra o curso de sommelier internacional e outros.

A carta de vinhos é cuidadosamente selecionada, colocando a olhos vistos, na verdade, a reputação de todos os cursos oferecidos na escola. Era um sábado ameno quando estive no Dolce Italia para o almoço. Visitei a cozinha, apresentaram-me ao chef do dia e conheci toda a escola. Um roteiro pelas salas, cozinhas e auditórios é bem-vindo.

DSC_3513

Naquela semana, o menu corrente começou com uma sopa de queijo fontina com legumes.

DSC_3517

Uma lasanha desconstruída de ragu branco, espinafre e patê de azeitonas veio acompanhando a tilápia à moda mediterrânea. (ainda fiquei com saudade da sopa)

DSC_3520

E a sobremesa, um pudim de leite de coco com geleia de laranja. (Nada apaga a lembrança daquela sopa). Menu completo por R$ 49,90 (bebidas não inclusas).

Dolce Italia Ristorante Scuola

Aberto diariamente para o almoço

Avenida vindima, 1000, Parque de Eventos Eloy Kunz

Flores da Cunha

Reservas e informações: aqui!

Sabor da família Tomasi no Addolorata Culinária Italiana

Addolorata foi o primeiro nome da comunidade do interior de Bento Gonçalves hoje chamada Tuiuty, onde está o roteiro turístico Vale do Rio das Antas, que tem como atração principal a imponente estrutura da Vinícola Salton.

DSC_3247

Addolorata é, também, o novo empreendimento gastronômico do distrito onde você poderá encontrar a figura lendária do agricultor Nei Tomasi, uma figura que representa como ninguém o imaginário coletivo do colono da Serra Gaúcha – com seu chapéu de palha, a camisa xadrez e seu tuc tuc que já levou milhares de turistas por passeios entre os parreirais.

DSC_3222

O restaurante, recém-aberto ao público, traz a legítima sequência gastronômica da Serra Gaúcha com o diferencial da simpatia com que a família Tomasi envolve o visitante. As filhas tocam o negócio com ajuda da mãe, enquanto Nei Tomasi cumpre seu papel de anfitrião no salão.

DSC_3217

DSC_3216

A fartura começa logo na chegada, com a mesa de queijo, salame e um torresmo fresquinho produzido na vizinhança.

DSC_3230

A decoração é uma graça, com crochês em diferentes técnicas feitos pela matriarca Tomasi e enquadrados com carinho como homenagem à nona. Quando a sequência de pratos começa, é aquela festa…

DSC_3233

A sopa, o pão e o pien, especialmente encorajadores nesses primeiros dias de frio na Serra Gaúcha.

DSC_3240

A salada que a gente come só porque radicci com bacon lembra a casa da vó (risos)

DSC_3244

E aquela sucessão de massa à carbonara, carne de panela, costelinha de porco, tortéi, fortaia.

DSC_3246

Aí está o melhor entre os melhores da casa: polenta mole recheada com salame e queijo ao molho de carne. Ocasionalmente, aqueles que ainda aguentarem podem desfrutar da sobremesa.

É tudo feito com carinho e a gente sente a alegria dos anfitriões em receber. A polenta, o tortéi, as massas e vinhos são uma produção da agroindústria familiar, o que dá ainda mais significância à refeição. Tudo acontece na propriedade da família, que recebe os visitantes para almoço e jantar sob reserva.

 

Addolorata Culinária Italiana

Aberto para almoço e jantar, sob reserva. Casais ou famílias pequenas podem ser encaixados em grupos maiores

Reservas: (54) 99925-5137

Facebook: clique aqui!

DiPaolo: o mesmo sabor, ainda mais comodidade

A primeira unidade do Grupo DiPaolo, entre Bento e Garibaldi, no Castelo Benvenutti, está de cara nova. Novos ambientes e um cantinho de diversão para as crianças, mas o sabor continua o mesmo: incomparável. Porque a verdade é essa. Nessa terra repleta de boa comida, temos muito o que elogiar, mas é preciso admitir a excelência desse galeto e do queijinho à dorê. Continue lendo DiPaolo: o mesmo sabor, ainda mais comodidade

Um abuso de almoço no único restaurante giratório do país!

Esse post tem o apoio de SEGH – Uva e Vinho

Almoçar a 60 metros de altura, com uma vista panorâmica da Serra Gaúcha e fartamente servido em um rodízio que parece não ter fim já seria espetacular se a atração principal não fosse outra: o restaurante fica girando enquanto você come – lenta e constantemente, num giro de 360º que leva algo em torno de duas horas. O Restaurante Giratório Mascaron já é um clássico em Veranópolis, com todos os méritos. É uma experiência bem inusitada.

DSC_0161
O elevador panorâmico que leva ao salão dá ideia da altura que espera o cliente. Chegando ao restaurante, a primeira impressão é a mais iluminada possível. Quanto mais ensolarado o dia, mais bonita fica a vista. Na verdade, mal se percebe que a área das mesas está em movimento. O giro é calculadamente lento, para não atrapalhar a refeição.

DSC_0181 Em diferentes lugares do salão, pontos cardeais mostram a cidade mais próxima e a distância até ela. Apenas o perímetro mais externo do restaurante, onde estão as mesas, é que fica girando. A parte central e os vidros ficam estáticos. Então, enquanto você come, vai circulando pelas paisagens de Bento Gonçalves, Caxias, Cotiporã.

DSC_0164

Os primeiros pratos são servidos à mesa. Esses deliciosos pãezinhos com manteiga, caponata e pasta de tomate seco são apenas o começo. Estavam recém-assados, comi praticamente todos e depois amargurei essa decisão precipitada. É um bom ótimo começo, mas que deve ser aproveitado com parcimônia.

DSC_0168

 

Em seguida, uma sopinha clássica, queijo e salame, aquela coisa bem típica.

 

DSC_0170

Saladas, se você quiser disfarçar um pouco diante da família.

DSC_0176

Depois disso, entra o time do restaurante giratório e, meus amigos, a coisa fica punk. Talvez você precise abrir discretamente um botãozinho da calça. Pode acontecer!

DSC_0177

A sequência de massas certamente tem mais de 10 opções. Joana de olho no canelone, mas pode crer que o risoto de funghi é muito bom e o espaguete a matriciana é de comer rezando. Com muito esforço, consegui provar um pouquinho de cada coisa.

DSC_0180

No revezamento com as massas, vem uma sequência de carnes com muita, muita variedade. Me senti em processo de extrema superação porque também consegui provar um pouquinho de cada. Mas não digo que tenha sido fácil.

DSC_0192

Depois disso, a Joana ainda quis a maior sobremesa da casa.

DSC_0189

Eu, que já estava precisando de ajuda, fiquei feliz em saber que o restaurante giratório tem uma bela carta de licores e chás digestivos.

O Restaurante Giratório Mascaron é um dos empreendimentos da Região Uva e Vinho que integram o Tour da Experiência, um projeto do SEGH – Uva e Vinho em parceria com o Sebrae que valoriza e promove experiências turísticas na Serra Gaúcha e outras quatro regiões no Brasil: Costa do Descobrimento, Caminhos do Brasil Imperial, Bonito e Belém.

Restaurante Giratório Mascaron
RSC 470, Km 178 | Fone: +55 (54) 3441-8350
Veranópolis – Serra Gaúcha – Brasil
Site: acesse aqui!

Inverno e sopas no Dolce Mattina Café

Inverno é aquela dobradinha de vinho e sopa, que a gente complementa com cobertinha de soft e maratona Netflix. Mas isso não significa que você precise se matar na cozinha. Eu, quando mordida pelo bicho da preguiça, pego uma mesa perto da brinquedoteca no Dolce Mattina Café e resolvo ao mesmo tempo a questão do tédio da Joana e da não-louça-pra-lavar.

Continue lendo Inverno e sopas no Dolce Mattina Café

Paris: a versão econômica de um estrelado Michelin

Esse post tem apoio de Café Com Arte

 

A Igreja de la Madeleine e seu aspecto de templo romano, sem janelas, sem sinos e com uma estátua de Joana d’Arc no interior, é ponto de visitação obrigatório em Paris. A estética incoerente é intrigante, digna de uma obra construída ao longo de 82 anos e que leva o dedinho de Louis XV, dos anticlericais da Revolução Francesa, de Napoleão e Louis XVIII. Se você estiver em Paris, certamente passará por Madeleine – o que nos leva ao circuito gastronômico a seu redor, onde está um dos tesouros da Cidade Luz, um restaurante que tem sempre 2 ou 3 estrelas Michelin, mas oferece um anexo muito mais acessível, onde, ainda assim, tive uma bela experiência.

DSC_7970

Lucas Carton é um dos primeiros restaurantes gastronômicos de Paris, aberto em 1880 e adorado pelos parisienses na Belle Époque. Em 1933, quando o Guia Michelin passou a conferir 3 estrelas, foi um dos primeiros a receber a honraria. Com algumas mudanças de dono e estilo, o restaurante escreveu seu nome na história da gastronomia francesa. Seu salão, concorridíssimo, tem vista direta para Madeleine.

DSC_7971

É uma tentação ceder a esse luxo, mas é possível conhecer uma versão mais econômica por uma portinha lateral que leva para ao superior do restaurante, onde fica o Le Marché de Lucas.

DSC_7962

Tratamento de princesa em um salão com não mais do que 10 mesas e também uma bela vista. E o melhor de tudo: menu degustação a 45 euros. Dá pra sentir, de uma forma bem mais simplória, claro, do que se trata o restaurante ao lado. Uma boa amostra da alta gastronomia francesa – aqui, apresentada sem complicação, mas muito esmeradamente.

DSC_7957

Três pratos compõem esse menu: a entrada, um creme de cogumelos que dá boas-vindas e esquenta o corpo castigado pelo vento.

DSC_7959

O prato principal, um filé derretendo como manteiga e acompanhado por um clássico purê de batata que eles têm o dom de transformar em uma delícia indecifrável.

DSC_7966

Para a sobremesa, um clássico da patisserie francesa: tartelette de limão. Preço justo para uma pequena amostra do que custaria o dobro. Lembranças de um dezembro memorável.

Le Marché de Lucas 

9 Place de la Madeleine, Paris, França

Site: acesse aqui!

Preparada pro inverno: 5 sopas em 5 dias

Você acha que é fácil almoçar uma sopinha em dia de semana sem recorrer ao buffet a quilo? Eu pensava que sim. Na minha vã filosofia, seria barbada escolher cinco lugares bacanas que servissem sopa no almoço, aproveitar a degustação e contar tudo pra vocês. Mas não foi tão simples quanto imaginei, por dois motivos: o desafio de encontrar cinco sopas para o cotidiano que valham a indicação e o desafio de aguentar a dieta líquida durante uma semana.

Não teve jeito. Tive que estender os testes por mais tempo que o esperado, porque já andava atacando um pacote de bolacha às três da tarde e ultrapassando todos os limites aceitáveis de jantar. Difícil admitir, mas faltou sustância pra aguentar até o fim do dia. Por conta disso e às voltas com outros compromissos, acabei levando três semanas pra terminar o roteiro de sopas.
Mas foi ótimo, porque consegui comparar preços e pontuar ótimas opções pra quem ficou com os pés gelados e precisa esquentar o corpinho ou pra quem passou da conta na noite anterior e quer compensar os excessos. Mas atenção, críticos de plantão: essas sopas, naturalmente, não são todas que existem e talvez nem sejam as melhores, mas são as que se adequaram à proposta do post: almoçar uma sopa em dia de semana sem recorrer ao buffet a quilo.

 sopas dolce gusto

Segunda-feira: Creme de moranga Dolce Gusto

Site | Face
Custa quanto? R$ 9,50, foi o melhor preço.
Mata a fome? Sim, o tamanho foi bem generoso.
Tem complementos? Sim, veio com um pão francês e queijo ralado.
É quentinha? Muito, queimei a boca e tudo.
Vale a pena? Com certeza! Eu achava que sabia fazer um bom creme de moranga até comer o da Dolce Gusto. Adorei o preço, o tamanho da porção e o sabor. Estava absolutamente cremoso e o toque sutil de gorgonzola fez diferença.

 sopas cafeelato

Terça-feira: Creme de cogumelos na Cafeelato, L’América Shopping
Sem site, sem fanpage
Custa quanto? No pão, R$ 18,00; sem pão, 15,00. Achei caro.
Mata a fome? Com certeza, mas a maior parte é pão.
Tem complementos? Queijo ralado e pão.
É quentinha? Sim, estava quente.
Vale a pena? Vale. Achei o preço salgadinho, mas foi o lugar com mais variedades de sopa. As opções variam de acordo com o dia, mas quando estive lá havia de alho poró, batata com frango, capeletti, aspargos e a que comi, mix de cogumelos.

 sopas caf do armazem

Quarta-feira: Sopinha de legumes Café do Armazém

Face
Custa quanto? R$ 10,00, o preço é bom.
Mata a fome? São legumes, né? Matam a fome por algum tempo.
Tem complementos? Sim, veio com um queijinho muito bom e fatias de pão.
É quentinha? Estava no ponto.
Vale a pena? É o tipo de sopa que vale a pena pra desintoxicar. Eu, por exemplo, devia comer uma dessas por semana. Convenhamos, pessoal, sopa de capeleti é bom mas não ajuda na dieta de ninguém! Importante: o Café do Armazém serve sopa somente nas quartas ao meio-dia, mas sempre tem opções legais pra almoçar (pratos prontos). Nesse dia, era um deslumbrante bauru ao prato que não tive o prazer de desfrutar para não fugir ao foco do post.

 sopas temperos e sabores

Quinta-feira: Caldinho de feijão no Temperos e Sabores

Face
Custa quanto? R$ 13,90.
Mata a fome? Sim, é bem, servida.
Tem complementos? Veio com potinhos de queijo ralado, temperinho verde e bacon, além de um pãozinho feito na hora.
É quentinha? Sim, estava no ponto.
Vale a pena? Muito, foi a melhor de todas. Estava bem temperada, saborosa e aqueceu o corpo.

 sopas cantamaria express

Sexta-feira: Sopa de capeleti Canta Maria Expresso
Site | Face
Custa quanto? R$ 15,50. Não foi o melhor preço, mas foi a maior porção. Daria pra servir tranquilamente duas pessoas normais. No meu caso, comi muito e sobrou um pouco pra levar.
Mata a fome? Certamente e o capeleti estava divinamente temperadinho.
Tem complementos? Queijo ralado e pão, como de costume, mas foi o único lugar que serviu pão caseiro estilo colonial.
É quentinha? Perfeitamente quente.
Vale a pena? Tudo no Canta Maria Express vale a pena. Ponto final.