Restaurantes com filosofia que merecem a sua visita

Mais um ano que se vai, mas não um ano qualquer. Nesse 2017, o blog teve dezenas de novas experiências gastronômicas: comida incrível, cozinheiros apaixonados, o resgate de ingredientes da culinária ancestral. Ao mesmo tempo, tive aquele mochilão extraordinário por Paris e o meu repertório gastronômico ganhou novos aromas e sabores.

São quatro anos de Culinarismo e quase 200 restaurantes visitados, testados, aprovados e postados. Tudo isso pra dizer que, quanto mais o tempo passa, mais forte fica o compromisso de reverberar o trabalho de restaurantes que respeitam o produtor e o produto. Tenho batido nessa tecla: dados da FAO apontam que cerca de 33% de tudo o que é produzido anualmente no mundo vai para o lixo e todas as suas fases, desde o cultivo até a mesa do restaurante, passando pelo armazenamento e preparo.

Isso não apenas dificulta o acesso global à alimentação, mas também encarece os alimentos e reflete na degradação do planeta. Então hoje quero propor sete restaurantes que entregam filosofia dentro do prato. Todos me encantam com propostas que vão muito além do prato servido.

Desejo a todos nós um 2018 mais consciente e aberto ao novo. Para o Culinarismo, comer bem faz parte da construção de um lugar melhor pra todos nós!

 

# Barlavento: onde a hidroponia é embalada por boa música

Morangos e tomates que ouvem Bob Marley: como não amar? Não tem maître, não tem requinte e não aceita cartão. O Barlavento, que muitos conhecem simplesmente por “morangos hidropônicos” é, certamente, um dos lugares mais autênticos e receptivos que o Culinarismo já visitou. Além do restaurante que costuma lotar nos fins de semana, o lugar abriga uma hospedaria e toda a área de cultivo de morangos, tomates e manjericões hidropônicos e orgânicos que são a base do cardápio. A taça Barlavento é um clássico, mas o menu também tem massas, sanduíches, etc e tal.

Rio do Vento Hidroponia

RSC-453, Km 154, Rota do Sol

Caxias do Sul – RS

Facebook/Barlavento

 

# Dois anos do genuíno slow food no Champenoise Bistrô

O Champenoise Bistrô engrandeceu o repertório gastronômico local exaltando a filosofia slow food do prato à taça. São dois anos do restaurante em Pinto Bandeira, que devolveu à vida o casarão de 1927 e materializou o projeto de vida do casal Marina e Israel: ela, enóloga com especialização em agroecologia. Ele, um chef de cozinha, pesquisador, experimentador da gastronomia orgânica e local. A casa oferece três opções de menu degustação que começam com pães de fermentação natural acompanhados de antepastos produzidos na casa. Todos os pratos refletem a sazonalidade da horta e do pomar, como essa flor de abóbora recheada com melão, copa artesanal e queijo pecorino.

Champenoise Bistrô

Linha Amadeu, Pinto Bandeira

Facebook/ champenoisebistro

# Um recanto tibetano de paz e espiritualidade

Tashiling é o restaurante tibetano que fica no Espaço Tibet, um lugar de convivência vizinho ao templo budista de Três Coroas. Ali, o ritual da refeição alimenta o corpo e reconforta o espírito. Não vale a pena perder muito tempo fotografando em vez de observar o balé dos garçons em seus trajes típicos. Eles quase levitam e seu tom de voz é sereno, pacífico. O cardápio traz algumas opções de entrada e prato principal com peixe e filé mignon, mas o que realmente representa o lugar é o Racha: pernil de cordeiro ao molho de cravos.

Espaço Tibet

Rua Alagoas, 361, bairro Águas Brancas, Três Coroas (RS)

Facebook/espacotibet.com.br

 

# Tradição e hospitalidade na Osteria Della Colombina

 Quando criou o movimento Slow Food, há quase 30 anos, o italiano Carlo Petrini o fez por acreditar na gastronomia como via de transformação. Vi de perto essa transformação quando bati à porta da Osteria Della Colombina e provei de uma comida tratada como expressão cultural. Coisas mágicas acontecem da propriedade Bettú Lazzari, no interior de Garibaldi, que pertence à família desde o primeiro imigrante a pisar no Brasil. Revitalizado como restaurante a partir de 2001, o lugar tem certificado de produção orgânica. Impressionantes 75% do que é servido aos clientes é produzido ali mesmo. A sequência é farta e cada visitante leva consigo uma pequena colombina, tradição dos imigrantes que a anfitriã Odete orgulhosamente preserva e dissemina.

Osteria Della Colombina

Estrada do Sabor, comunidade Linha São Jorge, Garibaldi

Facebook/ osteriacolombina

 

# Memorável experiência na Locanda di Lucca

Quando visitei pela primeira vez esse restaurante, o anfitrião Edgar Giordani resumiu a filosofia do lugar proferindo a seguinte frase: “Não posso servir ao meu irmão alimento envenenado”. Depois dessa, você só pode sorrir e agradecer. O Locanda di Lucca é um restaurante orgânico, no interior de Bento Gonçalves – precisamente no interior do distrito de São Pedro. O menu degustação é sazonal e os conceitos de produção biodinâmica também permeiam o menu. A água saborizada da fonte está inclusa no menu degustação; o restaurante não vende refrigerante e concentra sua carta de vinhos na produção nacional. A sobremesa é um tesouro da casa com grande sabor, aroma e identidade. O sorvete de mel biodinâmico é servido com farofa de esfregolá, geleia de laranjinha kinkan e calda de merlot.

Locanda di Lucca

Linha Palmeiro 340, distrito de São Pedro, Bento Gonçalves – RS

Facebook/locandadilucca

 

# Urban Farmcy, um movimento necessário

O restaurante natureba da vez em Porto Alegre fica bem no coração de um bairro caro e exalta que a comida vegetariana pode ser incrivelmente saborosa e sedutora. A filosofia Urban Farmcy fortalece a produção urbana e hiperlocal de alimentos, reduzindo o impacto com transporte e o desperdício. Com uma filosofia raw (comida minimamente cozida) e plant based, o restaurante tem um menu colorido e cheio de sabores. Aí está a feijoada quase vegana pra comprovar. Surpreendente. No lugar das carnes, um tempero excelente e talinhos de cogumelo. A couve, o vinagrete e a farofa… tudo minuciosamente empratado.

Urban Farmcy

Rua Hilário Ribeiro, 299, Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Facebook/urbanfarmcy

# Valle Rustico, um clássico do slow food na Serra Gaúcha

Como ativista do movimento Slow Food, o chef Rodrigo Bellora reforça na mesa o que vem defendendo em suas palestras e cook shows Brasil afora: a valorização do produto e do produtor local. Em nove passos, o menu confiança apresentado pelo Valle Rustico surpreende não pela finesse das matérias-primas. Ao contrário: será servido urtigão, mas num conceito e empratamento que poderia facilmente ser emoldurado e pendurado na parede como adorno. Os pratos já não são da estação, mas refletem a oferta da horta na semana. Por isso, já há alguns anos, o restaurante não tem menu. Você paga pela surpresa.

Valle Rustico

Via Marcílio Dias, Garibaldi (Vale dos Vinhedos)

Facebook/vallerustico

Comente

Comente