Seduzida por um vendedor de frutas de luxo

Você não tem ideia de quanto pode custar uma caixinha de frutas até ir ao Mercado Público de São Paulo e ser seduzida por um vendedor de habilidade invejável e contador de causos comoventes:

“Era uma vez uma mulher de meia idade que acabara de perder o pai. Numa viagem de trabalho a São Paulo, ela passou despretensiosamente pelo Mercadão e parou em frente a este mesmo vendedor. Ele a convidou para degustar um pedaço de pitaya e a mulher lacrimejou. Seu pai sempre quis provar daquela fruta, mas não teve tempo.
– Então, quantas a senhora vai levar em honra ao seu pai?
E ela disse:
– Com esse preço, meu filho, vai pro diabo que te carregue!
– Bem, o dinheiro está aí pra ser bem aproveitado. Aquela mulher perdeu a oportunidade de ser feliz por um momento. Você não faria o mesmo, não é, moça? Leve logo duas!”

O cara não era meramente um quitandeiro. Era um consultor de vendas de artigos de luxo, só que perecíveis. Meu irmão, que mora em São Paulo e já conhecia aquelas delícias todas, foi se afastando de mansinho e me esperou umas quatro bancas depois. Ele sacou na hora a armadilha ($$$). Eu, extasiada com a combinação de sabores, me deixei seduzir. Com essa história de filha pão-dura e algumas argumentações a mais, o cara me fez desembolsar simplesmente 400 reais em frutas. Se estou arrependida?

bancaBem… até passou pela minha cabeça sair correndo e fingir que não era comigo. Mas até a embalagem dos caras é um capítulo à parte. Eles são muito profissionais. Acomodaram cada tipo de fruta bandejinhas de isopor com respiro. Depois, todas elas em um caixote de madeira muito bem lacrado com fita adesiva. Tudo acondicionado perfeitamente para viagem. No fim das contas, rachei o prejuízo com o “namorido” e saí feliz – com um sapato a menos no guarda roupa, mas sabores a mais no meu repertório. Diante de tantas cores, você também não ficaria tentado?

Levei tudo pra casa e comecei uma doce e paulatina degustação que se estendeu por um mês. Não me pergunte como, mas as frutas aguentaram. Trouxe cinco variedades diferentes, então vou fazer um ranking pra ficar mais emocionante!!!

abacaxi

5º lugar: Abacaxi Gomo-de-Mel

É muito, muito doce e muito, muito amarelo. É bem diferente de um abacaxi comum.

É mais suculento e bem pequeno, pra consumo individual mesmo.

Pra quem gosta de cítricos, é uma explosão de sabor.

decopon decopon2

4º lugar: Decopon
Resumidamente, é uma bergamota gigantesca, doce e sem semente.

Descobri que, na verdade, o troço é um híbrido das frutas pokan e kiyomi (???) inventado pelos japoneses.

Valeu a experiência. Quem gostou mais foi a minha filha.

cherimoia

3º lugar: Cherimoia 

É branca, macia e tem gosto de leite condensado – sério!

É uma alternativa muito louca pra quem está de dieta.

Você não acredita que aquilo é um produto da Mãe Natureza!

O consultor de frutas de luxo nos deu pra provar com gotinhas de limão siciliano por cima e ficou idêntico a mouse de limão. 🙂

pitaya

2º lugar: a famosa e emblemática Pitaya 
Ela é conhecida também como fruta do dragão por sua aparência escamosa

(agora me senti escrevendo uma reportagem para a editoria de saúde!).

É doce, mas suave. Lembra melão e fiquei sabendo que tem poucas calorias.

O preço, em compensação, é salgado. Cada uma custou mais de 40 reais e você pode não acreditar,

mas já passou um mês e ainda tem um exemplar desses intacto na minha geladeira!

morango

1º lugar: Morango com Tâmara
Morango todo mundo conhece, tâmara também não é tão difícil de encontrar.

Mas a combinação dos dois é surreal! Claro que os morangos do Mercadão eram gigantescos, doces… e caros.

Mas se eu pudesse voltar lá, eram os morangos com tâmaras que eu compraria de novo.

De tudo, o que ficou foi a experiência e meu bolso um pouco mais vazio. Sabe como é, um bom vendedor sempre consegue o que quer. Considerando uma cliente curiosa como eu, então, a venda era certa!

Comente

Comente