Arquivo da tag: mochilão culinarismo

Felice como nunca antes

Este post tem apoio de Jornal Design Serra

DSC_8429

Felice foi um restaurante altamente recomendado. Enfrentamos uma longa caminhada para chegar a ele e por muito pouco não saímos de mãos abanando no último dia em Roma. Teria sido uma verdadeira lástima, mas serviu como lição: se um restaurante tem boa fama, não pense que conseguirá uma refeição tranquila sem reserva.

DSC_8433

Tivemos sorte de cruzar com um garçom prestativo que nos encaixou numa mesa de canto para um almoço cronometrado de meia hora. Foi bom percorrer a pé o trajeto do centro até a Via Mastro Giorgio, porque isso revelou muito sobre a vida local. O pequeno bairro de Testaccio, onde o restaurante funciona no mesmo endereço há 80 anos, tem origens operárias, mas hoje é o ponto mais cult da cidade. Soube depois que é o único caso de urbanização programada dentro da cidade de Roma. Lá estão os bares mais frequentados e as origens do time de futebol Roma. Sem saber, cruzei na ida e na volta por um dos ícones arquitetônicos do período fascista: o prédio dos Correios,  na Via Marmorata – uma obra de 1933.

Enfim que, ao chegar no Felice, fomos calorosamente recebidos e acomodados na tal mesa de cantinho – ao que nem posso reclamar, pois poderia ter ficado sem almoço. Havia um cardápio, mas isso não diz muita coisa, já que o restaurante serve um prato tradicional em casa dia da semana e o garçom se deu ao trabalho de explicar uma a uma as opções em espanhol.

DSC_8450

Essa foi uma refeição mais rápida do que deveria, mas envolta em descobertas que me acompanhariam desde então. No Felice, provei o mais singelo e robusto prato romano – que leva apenas três ingredientes, mas desafia até o mais experiente chef de cozinha. Falarei mais adiante.

DSC_8430

Descobri também que a água de Roma é gaseificada naturalmente.

DSC_8439

As refeições em Roma são fartas, fartas demais para uma garota comum, como eu! O primeiro prato, essa porção generosa de massa, apenas precede um belo prato de carne que ainda vem acompanhado de legumes ou salada. Chegar na sobremesa é trabalho a beça, mas vale a pena tanto quanto uma longa caminhada de volta ao hotel pelas ruas milenares de Roma. Pedi para mim um generoso Ravioli a Felice, com tomates cereja e ricota.

DSC_8435

Uma delícia, mas nada que se compare à hipnotizante simplicidade do Tonnarelli Cacio e Pepe…

DSC_8437

A receita tipicamente romana leva tão e somente massa, queijo pecorino e pimenta do reino. O segredo é a misturada que o garçom dá diante do cliente. O resultado é indescritível.

DSC_8443

Cordeiro é, também, uma carne tipicamente romana. Então pedimos em duas versões: assado com batatas…

DSC_8441

…e a milanesa com abobrinhas.

DSC_8447

Quando a coisa já parecia muito boa e nossa meia hora estava esgotando, o garçom que misturava italiano e espanhol pra falar conosco apareceu com uns recortes velhos de The New York Times e decretou que não poderíamos ir embora sem provar aquele tiramissú citado várias vezes no jornal. Particularmente, não gosto de sobremesas que levam creme e bolacha (condene-me por isso, mas não, não gosto de torta de bolacha). Provei porque estava ali e realmente era muito bom pra quem gosta. De minha parte, voltaria mil vezes para uma simples massa ao cacio e pepe.

Barato não foi, mas quem se importa numa hora dessas? Foram os últimos instantes dessa viagem incrível que agora está na memória e no coração. Estando em Roma, não deixe de reservar um momento Felice!

Felice a Testaccio

Via Mastro Giorgio, 29, Roma, Itália

www.feliceatestaccio.it

Paris: a versão econômica de um estrelado Michelin

Esse post tem apoio de Café Com Arte

 

A Igreja de la Madeleine e seu aspecto de templo romano, sem janelas, sem sinos e com uma estátua de Joana d’Arc no interior, é ponto de visitação obrigatório em Paris. A estética incoerente é intrigante, digna de uma obra construída ao longo de 82 anos e que leva o dedinho de Louis XV, dos anticlericais da Revolução Francesa, de Napoleão e Louis XVIII. Se você estiver em Paris, certamente passará por Madeleine – o que nos leva ao circuito gastronômico a seu redor, onde está um dos tesouros da Cidade Luz, um restaurante que tem sempre 2 ou 3 estrelas Michelin, mas oferece um anexo muito mais acessível, onde, ainda assim, tive uma bela experiência.

DSC_7970

Lucas Carton é um dos primeiros restaurantes gastronômicos de Paris, aberto em 1880 e adorado pelos parisienses na Belle Époque. Em 1933, quando o Guia Michelin passou a conferir 3 estrelas, foi um dos primeiros a receber a honraria. Com algumas mudanças de dono e estilo, o restaurante escreveu seu nome na história da gastronomia francesa. Seu salão, concorridíssimo, tem vista direta para Madeleine.

DSC_7971

É uma tentação ceder a esse luxo, mas é possível conhecer uma versão mais econômica por uma portinha lateral que leva para ao superior do restaurante, onde fica o Le Marché de Lucas.

DSC_7962

Tratamento de princesa em um salão com não mais do que 10 mesas e também uma bela vista. E o melhor de tudo: menu degustação a 45 euros. Dá pra sentir, de uma forma bem mais simplória, claro, do que se trata o restaurante ao lado. Uma boa amostra da alta gastronomia francesa – aqui, apresentada sem complicação, mas muito esmeradamente.

DSC_7957

Três pratos compõem esse menu: a entrada, um creme de cogumelos que dá boas-vindas e esquenta o corpo castigado pelo vento.

DSC_7959

O prato principal, um filé derretendo como manteiga e acompanhado por um clássico purê de batata que eles têm o dom de transformar em uma delícia indecifrável.

DSC_7966

Para a sobremesa, um clássico da patisserie francesa: tartelette de limão. Preço justo para uma pequena amostra do que custaria o dobro. Lembranças de um dezembro memorável.

Le Marché de Lucas 

9 Place de la Madeleine, Paris, França

Site: acesse aqui!

#Paris: Le Chemise, um bistrô com máximo custo-benefício

Este post tem o apoio de Café com Arte

 

Uma multidão caminha a passos curtos e olhos fixados no céu, refletindo a imponência metálica e as luzes piscantes da Torre Eiffel. Paris é o encanto do extraordinário, o paraíso dos apaixonados e a brisa gélida do Sena quando o inverno se aproxima. É o suprassumo do turismo clichê, mas também é muito além disso. Paris é aquilo que seus olhos permitirem ver. Nesta minha segunda passagem pela Cidade Luz, busquei conhecer a cidade por outro maravilhoso ângulo: o dos parisienses.

Naturalmente, cruzei a Champs Élysées e me perdi nos longos corredores do Louvre, mas a verdadeira Paris pude desfrutar numa sequência de carnes, peixes, guarnições e sobremesas que degustei em bistrôs tipicamente parisienses. Nesses lugares, por exemplo, não existe wifi para a clientela, serve-se muito pão junto da comida e, à parte de um cardápio extenso a que estamos acostumados, dá-se preferência ao prato do dia.

Sacré Cœur: pode chover bastante no outono parisiense
Sacré Cœur: pode chover bastante no outono parisiense

Tenho coisas incríveis a contar sobre a comida de Paris, mas começo pelo final, onde tive uma grata surpresa gastronômica a um preço mais do que justo. No meu último dia de roteiro em Paris, flanava pelas ruas e escadarias de Montmartre na trilha de Amelie Poulain (um clichê que amo) quando começou uma chuva fininha. Subi os degraus que levam à Sacre Coeur dispensando o funicular e, nesse ponto, a chuva já estava forte. Chamei um táxi e ganhei da motorista um livreto com os melhores restaurantes de Paris a preços módicos. Foi a salvação da paróquia quando ela nos deixou onde seria o almoço e o lugar estava fechado.

Le Chemise: indicado no guia dos melhores restaurantes de Paris em 2015
Le Chemise: indicado no guia dos melhores restaurantes de Paris em 2015

Abri o livreto direto no mapa e saí em busca de algo próximo da praça da República, onde eu estava. Numa caminhada breve, cheguei ao Le Chemise. Ambiente charmoso e menu com entrada + prato OU prato + sobremesa por 16 euros (ou menu completo por 20 euros). Em se tratando de viagens, se eu pudesse dar apenas uma dica valiosa, diria pra você não pensar em reais… como diria uma prima minha: “quem muito converte, pouco se diverte”. Considerando isso, foi o melhor custo-benefício da viagem – disparado.

Os combos entrada + prato principal OU prato principal + sobremesa são comuns nos bistrôs parisienses
Os combos entrada + prato principal OU prato principal + sobremesa são comuns nos bistrôs parisienses

Vejamos o menu promocional, que trazia apenas três opções para entrada, três para prato principal e três para sobremesa, que não provamos pois saímos daí direto pra uma pâtisserie. Fora isso, havia o menu da casa, com pratos a preços individuais.

DSC_8131

Na entrada, escolhi a sopa de cogumelos que estava realmente fresca e esquentou a alma resfriada pela chuva.

DSC_8132

O Jonathan foi de salada de folhas com tortilha de queijo de cabra (ou croustillant de chèvre au miel), também aprovadíssimo. A comida francesa, referência na gastronomia ocidental, apesar de toda sua manteiga, é equilibrada e leva uma boa dose de legumes e verduras.

DSC_8134

 

 

O vinho aproveitamos para pedir sempre em jarro de meio litro, o que considerei uma boa medida para duas pessoas no almoço. Sabe como é, foram longas caminhadas e preguiça não convinha.

 

 

DSC_8140

Meu prato principal foi o papardelle lindamente guarnecido por uma panelinha de ragu. A versão francesa de uma combinação que poderia estar tranquilamente em qualquer restaurante da Serra Gaúcha. Simples, mas impecável.

DSC_8142

Jonathan pediu o peixe no purê de batatas que tinha uma crosta perfeitamente crocante, ao passo que o lado oposto era suculento, como todo salmão deveria ser. Uma delícia sem requintes.

O turista solitário também trazia consigo o guia de restaurantes que salvou nosso almoço
O turista solitário também trazia consigo o guia de restaurantes que salvou nosso almoço

Esse foi nosso último almoço em Paris. Com tanto ainda a conhecer, nesse dia nos despedimos da gastronomia francesa para jantar uma legítima pizza italiana. Daí em diante, foi a farra da pizza e pasta. Te conto daqui uns dias, em 2016!

 

Le Chemise

Aberto para almoço e jantar

Rue de Malte, 42, Paris

Site: acesse aqui!